Meu refúgio

Sentimentos e Poesias

Textos


A ociosidade

Caros, imaginem o entusiasmo de uma pessoa chegar à velhice e ainda exerce suas funções profissionais.
Alcançar a velhice, ou como dizem por aí, a terceira idade, sentindo a mesma ansiedade ao completar dezoito anos de idade.
A lucidez mental, a suavidade da pele e a motivação em viver e ser feliz.
Exercer o meu trabalho era uma das maiores motivações, afinal tinha orgulho de ser Assistente Social, sempre atuando eticamente e cumprindo minha missão do Projeto Político Ético, junto as pessoas que mais precisavam da nossa intervenção.
O usuário, nos faz estar sempre em movimento e em busca de um mundo melhor, tendo como primissa a igualdade social.
Como acontece com a grande maioria, o tempo foi passando, deparei-me com a aposentadoria.
No primeiro momento, era a euforia em ter meu papel cumprido. Mas, isto não significa o final.
Então, ainda não acostumada na ociosidade profissional, finquei minhas energias no cuodar da casa, começando pela reforma. Mas não era suficiente e voltei-me aos sonhos e enveredi-me à literatura por diversas correntes. Passei a firmar mais em escrever poemas, cronicas e contos, os quais deram-me o prazer de participar de concursos, coletaneas e enciclopédia bilingue e antologias, nos diversos Estados brasileiros,e, por fim, lançar dois livros de poesias.
Interessante dizer que, quando trabalhava, e chegava ao anoitecer, sempre deparava-me com dois idosos sentados num banco de madeira, e eu, brincalhona como sempre dizia: Vamos trabalhar? Eles olhavam-me e sorriam se dizer nada. E assim, sucessivamente.
Hoje, o banco de madeira é ocupado por três idosos: Os dois cativos anteriores e eu..
Nesta nova fase da minha vida, usufruo do meu tempo ocioso e sacrário para deleitar poemas, versos e prosas.
Tonia Aleixo
Enviado por Tonia Aleixo em 29/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras